Logística portuária no Brasil: conceito, importância, estrutura e principais desafios explicados!

A comercialização de produtos via marítima, o escoamento das cargas nos terminais e a gestão de portos compreendem operações pouco conhecidas pela maioria dos gestores no ambiente corporativo. Sendo assim, fica a pergunta: o que você sabe sobre logística portuária?

A modalidade tem suas especificidades, varia e complementa o transporte terrestre, vem sofrendo o impacto de novas e significativas tecnologias na era digital e apresenta alto potencial de crescimento, inclusive, no Brasil.

Continue na leitura para entender o conceito, a estrutura, os principais desafios da área e sua importância para a economia nacional.

Mulher escrevendo algo em uma folha que está na sua mão.

O que é logística portuária?

Atividade que compreende o conjunto de ferramentas, ações e processos relacionados à movimentação de cargas e gestão marítima. Estamos falando de embarque, desembarque, estocagem, armazenamento e escoamento de mercadoria, além do gerenciamento dos modais por onde elas chegam e de onde saem, os portos.

Com capacidade para transporte de produtos a granel, as operações na logística portuária são valiosas. Além disso, têm como uma de suas principais características a complexidade. Afinal, há várias regulamentações em diversos âmbitos aplicáveis à área: Direito Ambiental, do Trabalho e Penal Marítimos são apenas alguns deles.

Ainda, aspectos sobre a comercialização de produtos envolvendo os portos contemplam obrigações tribuárias e fiscais brasileiras. Sem falar da necessidade de se ater à legislação internacional e tratados assinados com outros países.

Como é a estrutura da logística portuária no Brasil?

Ela é dividida em 3 categorias: complexo fixo, administração e operação. A primeira diz respeito às instalações, ou seja, terminais portuários, armazéns, cais, equipamentos e maquinário.

A segunda abrange a gestão dos portos, compreendendo as marinas, os órgãos responsáveis pela modernização do sistema, da estrutura física e regulamentação da atividade. Entram aqui o Conselho de Autoridade Portuária (CAP) e o Grupo Executivo para Modernização dos Portos (GEMPO).

Por fim, a operação diz respeito aos trabalhadores envolvidos na logística portuária: pilotos, rebocadores, operadores e sindicatos, tais como o de trabalhadores avulsos. Vale ressaltar que cada uma das 3 esferas tem autonomia desde que observe as regulamentações do setor.

Contudo, elas estão inter-relacionadas, sendo imprescindível a adoção de boas práticas e decisões em uma área para toda a estrutura progredir, ganhar o mercado e lucrar com a atividade.

Pessoa escrevendo em um caderno, ao lado tem um café e um notebook.

Quais são os principais desafios da logística portuária no Brasil?

Primeiramente, a mão-de-obra, afinal, é necessário modernizar o setor para aumentar a competitividade do país no cenário internacional. A ABTP (Associação Brasileira de Terminais Portuários) fala em capacitar “com ênfase na multifuncionalidade” os trabalhadores para a operação de equipamentos altamente tecnológicos nos portos.

Outro desafio é a dependência do transporte terrestre para escoar a mercadoria: nossa malha ferroviária é pequena e os gastos com o modal rodoviário são altos. A frota de caminhões é antiga, as rodovias estão em péssimas condições e os caminhoneiros, sujeitos a roubos de carga.

Nesse contexto, a cabotagem vem ganhando espaço na logística portuária: ela gasta menos com combustível e transporta grandes quantidades de produtos. Contudo, os portos brasileiros precisam ser adaptados para receber as modernas embarcações com calados maiores.

Por fim, a logística reversa também é um desafio no funcionamento sustentável dessa rede no Brasil. O retorno de baterias, pilhas, óleos lubrificantes e agrotóxicos para os fabricantes pode depender da navegação de longo curso e deve obedecer legislação internacional caso os produtos precisem ser devolvidos a nações estrangeiras, por exemplo.

Por que a logística portuária é importante para a economia brasileira?

90% do comércio internacional é feito via marítima. O Plano Nacional de Logística e Transporte de 2015 prevê aumento de 92% da movimentação nos portos brasileiros até 2042, chegando em 1,8 bilhão de toneladas comercializadas.

Sendo assim as oportunidades de negócios e ganhos são grandes, fomentadas pelas estratégias governamentais de reduzir a burocracia para as empresas otimizarem suas operações — forma de atrair capital externo e fortalecer a economia nacional.

Portanto a logística portuária tem um potencial alto ainda não explorado. Investir no setor é um convite à conquista do mercado internacional e aumenta a competitividade no cenário brasileiro, vantagem ao consumidor e estímulo para as empresas evoluírem.

Gostou do assunto? Curta a página da Miró Neto Advogados no Facebook para continuar se atualizando sobre as novidades e questões jurídicas relativas ao Direito Marítimo e Portuário.

Imagens: Mulher, caderno.

Conteúdos exclusivosPowered by Rock Convert