Conheça o Sistema de Pagamentos Instantâneos PIX e entenda essa revolução nos pagamentos instantâneos.

Denominado PIX pelo BC,  trata-se de um sistema de pagamentos e transferências instantâneos que poderão ser feitos pelo usuário de forma rápida e segura.

O Banco Central do Brasil – BC está em fase de implantação do Pix, sistema que permitirá, a partir de 16 de novembro, pagamentos instantâneos. Trata-se de transferências monetárias eletrônicas em ocorrendo tempo real, 24 horas por dia, sete dias por semana e em todos os dias no ano.

Poderão ser realizados pagamentos de quaisquer tipos ou valores, como por exemplo, transferências entre pessoas (P2P), entre pessoas e estabelecimentos comerciais (P2B), entre estabelecimentos (B2B). Podem também envolver entes governamentais (P2G e B2G), como pagamento de taxas e impostos, pagamento de salários e benefícios sociais (G2P) e de convênios e serviços (G2B).

Desta forma, como as transferências ocorrem diretamente da conta do pagador para a conta do recebedor, não há necessidade de intermediários. Desta forma, proporciona custos menores de transação.

O ecossistema de pagamentos instantâneos formado pelo arranjo aberto instituído pelo BC foi denominado – PIX. Ele compreende participação dos prestadores de serviços de pagamento (instituições financeiras e instituições de pagamento). Esses prestadores atuarão através da plataforma única que fará a liquidação das transações, chamada SISTEMA DE PAGAMENTO INSTANTÂNEO – SPI.

O Pix revolucionará as transações monetárias.

Confira, conforme matéria de O Tempo, como funcionará o Pixel.

Como funcionará o PIX?

O PIX funcionará através de chaves de segurança. Essas chaves poderão ser cadastradas através do seu celular, e-mail, CPF ou CNPJ, quanto também através da leitura de QR Codes estáticos e dinâmicos. 

O BC permitirá as seguintes operações nessa nova ferramenta:

  • Entre pessoas;
  • Entre pessoas e estabelecimentos comerciais;
  • Entre estabelecimentos;
  • Para entes governamentais, no caso de impostos e taxas.

Para usar o PIX, será necessário que tanto o pagador (quem envia o dinheiro) quanto o recebedor (quem receberá os valores) tenham uma conta em alguma instituição financeira. 

Após isso, você irá acessar o aplicativo do seu banco e fazer o registro da chave de segurança usando seu número de celular, e-mail ou CPF/CNPJ. Assim, os dados da sua conta, agência e banco estarão vinculados à sua chave e você não precisará passar os seus dados bancários para quem for te pagar.

E se quiser ter ainda mais privacidade, basta cadastrar uma chave de EVP (Endereço Virtual de Pagamento). Ela te permitirá não passar seus dados pessoais na hora de fazer uma compra ou transferência para pessoas que não sejam de sua confiança.

O que são as chaves do PIX?

As chaves do PIX serão algorítimos que determinarão qual será a conta que receberá a transferência. Elas poderão ser feitas fornecendo número de celular, e-mail, CPF ou CNPJ.

Na prática, se, por exemplo, o José da Silva registrasse seu número de celular para receber pelo PIX, na hora de receber um depósito, não precisaria passar o número da conta, da agência, do CPF e o código do banco para quem for depositar. Basta passar o número que o dinheiro cairá direto na conta vinculada.

Porém, caso você se preocupe com sua privacidade, poderá gerar também uma chave aleatória, que nada mais é do que uma sequência numérica gerada pelo sistema do PIX.

Como ocorrerão as transações com PIX via QR Code?

Bastará ao usuário ou estabelecimento que receberá o valor apresentar um QR Code que poderá ser lido por qualquer tipo de smartphone. 

Cada tipo de QR Code terá um uso diferente:

  • O QR Code estático poderá ser usado em múltiplas transações e permitirá que seja definido um valor para um produto ou de um valor pelo pagador. Ele poderá ser usado para transferências entre duas pessoas, por exemplo. 
  • O QR Code dinâmico é mais adequado para pagamento de compras, já que poderá apresentar informações diferentes a cada transação e permitirá que sejam incluídas informações adicionais sobre a transação.
PIX – facilitando as transferências de forma instantânea

Intenção focada em uma melhor experiência do usuário

A intenção do BC é que esse novo meio de pagamento passe a ser ofertado aos clientes finais das instituições participantes, aumentando suas alternativas de escolha.Não apenas para criar uma maior eficiência no mercado de pagamentos, como também a abrir caminho para novos participantes desenvolverem soluções focadas na experiência e no sucesso do cliente.

Entenda como funciona o processo de adesão para Instituições Financeiras e de Pagamento

O processo de adesão ao PIX engloba basicamente duas etapas:

  • Etapa Homologatória.

As instituições Interessadas no cadastro devem fornecer:

  • Dados cadastrais da instituição (CNPJ, razão social, código SISBACEN, se possuir autorização do BC para funcionamento, identificação do diretor responsável, endereço para correspondência, telefone da instituição e endereço eletrônico).
  • Número de contas de clientes ativas em 31 de dezembro de 2019 (contas de depósito à vista, contas depósito de poupança e conta de pagamento pré-pagas);
  • Demais informações:
  1. modalidade de participação no SPI: direta ou indireta, e, sendo indireta, indicar o nome e CNPJ da instituição com quem possui contrato firmado ou em negociação para atuar como liquidante no SPI;
  2. forma de acesso ao Diretório de Identificadores de Contas Transacionais – DICT (direta ou indireta);
  3. forma de conexão à Rede do Sistema Financeiro Nacional – RSFN (direta ou por meio de prestador de serviço de tecnologia da informação – PSTI e, em sendo esse o meio, indicar seu nome e CNPJ).

Como funcionam as modalidades de participação?

A modalidade de participação no SPI deve ser informada já na etapa cadastral. Participação Direta no SPI tem como objetivo permitir às instituições autorizadas a funcionar pelo BC a conexão direta ao SPI e a titularidade de uma conta no BC para fins específicos de liquidação de pagamentos instantâneos, chamada Conta PI.

Ainda, as instituições de pagamento que não possuem autorização para funcionamento concedida pelo BC não podem participar na modalidade direta.

Já na Participação Indireta no SPI a instituição não possuirá conexão direta ao SPI nem uma Conta PI no BC. A participação, nesse caso, ocorre por intermédio de uma participante direto do SPI, responsável por registrar o participante indireto no sistema e atuar como liquidante no SPI para pagamentos instantâneos a ele relacionados.

A participação Indireta é vedada aos bancos comerciais, aos bancos múltiplos com carteira comercial, às caixas econômicas e às câmaras de prestadores de serviços de compensação e de liquidação. Estes são obrigados a aderir a modalidade de participação direta.

Informações e documentos para cumprimento da etapa cadastral devem ser enviados ao DECEM por meio do Protocolo Digital do BC. As instituições que já enviaram as informações acima, poderão alterá-las ou complementá-las até 16 de outubro de 2020.

Fases de implantação do sistema PIX

Temos uma equipe especializada preparada para auxiliá-los com o Pix, não deixe de nos contatar.

Perguntas frequentes.

Imagem de William Iven por Pixabay